CVA
Centro de Vacinação de Adultos

Calendário básico de vacinação (crianças) - 2012

A partir de agosto de 2012 deverá ser adotado um novo calendário básico de vacinação.

Idade

Vacinas

Doses

Ao nascer

BCG-ID (1)

Dose única

Hepatite B (2)

1ª dose

1 mês

Hepatite B (2)

2ª dose

2 meses

Tetravalente (DTP + Hib) (3)

1ª dose

VOP (vacina oral contra a poliomielite, Sabin) (4)

1ª dose

VORH (vacina oral contra rotavírus humano) (5)

1ª dose

Antipneumocócica 10 valente conjugada (6)

1ª dose

3 meses

Antimeningocócica C conjugada (7)

1ª dose

4 meses

Tetravalente (DTP + Hib) (3)

2ª dose

VOP (vacina oral contra a poliomielite, Sabin) (4)

2ª dose

VORH (vacina oral contra rotavírus humano)

2ª dose

Antipneumocócica 10 valente conjugada (6)

2ª dose

5 meses

Antimeningocócica C conjugada (7)

1ª dose

6 meses

Tetravalente (DTP + Hib) (3)

3ª dose

VOP (vacina oral contra a poliomielite, Sabin) (4)

3ª dose

Hepatite B (2)

3ª dose

Antipneumocócica 10 valente conjugada (6)

3ª dose

9 meses

Febre amarela (8)

1 dose  (reforço a cada 10 anos)

12 meses

SRC (tríplice viral, MMR) (9)

1ª dose

Antipneumocócica 10 valente conjugada (6)

Reforço

15 meses

DTP (tríplice bacteriana) (3)

1º reforço

VOP (vacina oral contra a poliomielite, Sabin) (4)

Reforço

Antimeningocócica C conjugada (7)

Reforço

4 anos

DTP (tríplice bacteriana) (3)

2º reforço


SRC (tríplice viral, MMR) (9)

2ª dose

10 anos

Febre amarela (8)

1 dose  (reforço a cada 10 anos)



Nas campanhas, além  da VOP (Sabin) para idade menor que cinco anos, a vacina contra gripe (influenza) está disponível para crianças de seis meses a menos de dois anos.

Observações
1 A BCG-ID (intradérmica) deve ser administrada ao nascimento ou o mais precocemente possível. Nos prematuros com menos de 36 semanas, administrar a vacina após 1 mês de vida e 2 kg de peso. Administrar uma dose em crianças menores de cinco anos de idade sem cicatriz vacinal. Contactantes intradomiciliares de portadores de hanseníase, menores de 1 ano de idade, comprovadamente vacinados (presença de cicatriz), não necessitam de dose adicional. Administrar 1 dose em contactantes menores de 1 ano de idade sem cicatriz vacinal (ou se não existir certeza da presença da cicatriz). Administrar 1 dose em contactantes com mais de 1 ano de idade, com ou sem sem cicatriz vacinal. O intervalo mínimo entre as doses da vacina é de seis meses. Não administrar dose adicional em contactantes que tenham comprovadamente (presença de cicatrizes) recebido duas doses. A vacina é contraindicada em gestantes, portadores de HIV, neoplasias malígnas e imunodeficiências congênitas ou adquiridas.
2 O esquema básico de vacinação contra a hepatite B é feito com 3 doses. A primeira dose deve ser administrada nas primeiras 12 horas de vida do recém nascido. A segunda e a terceira doses devem ser aplicadas, respectivamente, 30 e 180 dias após a primeira. Em prematuros ou em recém-nascidos à termo de baixo peso (menor de 2 Kg), utilizar esquema de quatro doses ( 0, 1, 2 e 6 meses de vida). Nos recém-nascidos de mães portadoras da hepatite B administrar a vacina e a imunoglobulina humana contra hepatite B (HBIG - disponível nos CRIE) nas primeiras 12 horas ou no máximo até sete dias após o nascimento, em locais anatômicos diferentes. A amamentação não traz riscos adicionais ao recém-nascido que tenha recebido a primeira dose da vacina e a HBIG.
3 A vacina tetravalente (DTP+Hib) protege contra Difteria, Tétano, Pertussis (coqueluche) e infecções graves pelo Haemophilus influenzae tipo b (inclusive meningite). Os reforços, o primeiro aos 15 meses e o segundo entre 4 e 6 anos (idade máxima), são feitos com a DTP.
4 Para a Sabin, o intervalo entre as doses é de no mínimo 30 dias. Considerar o intervalo mínimo de 6 meses após a última dose para o reforço que é feito aos 15 meses.
5 A primeira dose da VORH deve ser administrada entre 1 mês e 15 dias e 3 meses e 7 dias de vida e a segunda entre 3 meses e 7 dias e 5 meses e 15 dias. Os limites de faixa etária devem ser estritamente observados. O intervalo mínimo recomendado entre a primeira e a segunda dose é de 30 dias. Não repetir a dose se a criança regurgitar, cuspir ou vomitar após a vacinação.
6 O intervalo mínimo entre as doses da vacina antipneumocócica (conjugada) é de 30 dias. O esquema de vacinação para crianças de 7-11 meses de idade é feito com duas doses.
7 O intervalo mínimo entre as as doses da vacina antimeningocócica C (conjugada) é de 30 dias.
8 Crianças a partir dos 9 meses de idade, que residam ou que irão viajar para áreas de risco de febre amarela, no Brasil ou no exterior. Para não vacinados, em caso de viagem para áreas de risco, inclusive no exterior, a vacina contra febre amarela deve ser feita 10 dias antes da partida. Os reforços devem ser administrados a cada dez anos.
9 Vacina contra sarampo, caxumba e rubéola: Administrar duas doses. A primeira dose aos 12 meses de idade e a segunda dose deve ser administrada aos 4 (quatro) anos de idade. Em situação de circulação viral, antecipar a administração da vacina para os 6 (seis) meses de idade, porém deverá ser mantido o esquema vacinal de duas doses e a idade preconizada no calendário. Considerar o intervalo mínimo de 30 dias entre as doses

Fonte: Ministério da Saúde, 2012 (modificado).


O Cartão de Vacinação é um documento de comprovação de imunidade. É responsabilidade das Unidades de Saúde emití-lo ou atualizá-lo por ocasião da administração de qualquer vacina. Deve ser guardado junto com documentos de identificação pessoal. É importante que seja apresentado nos atendimentos médicos de rotina e fundamental que esteja disponível  nos casos de acidentes.


Página Principal

Primeira Consulta

Doenças imunopreveníveis

©CVA
 

Os textos disponíveis no CVA são, exclusivamente, para uso individual. O conteúdo das páginas não pode ser copiado, reproduzido, redistribuído ou reescrito, no todo ou em parte, por qualquer meio, sem  autorização prévia.
Créditos: Cives - Centro de Informação em Saúde para Viajantes