CVA
Centro de Vacinação de Adultos

Vacinas contra a encefalite japonesa

Fernando S. V. Martins, Luciana G. F. Pedro & Terezinha Marta P. P. Castiñeiras

As vacinas contra a encefalite japonesa podem ser produzidas com vírus atenuados ou inativados. A vacina produzida com vírus atenuados (obtidos em células renais de hamster) não está liberada em países ocidentais, porém é utilizada na China desde 1988 e também está licenciada na Coréia do Sul, India, Nepal, Sri-Lanka e Tailândia. Em 2005, após décadas de uso - inclusive em alguns países ocidentais, a produção da vacina elaborada com vírus inativados obtidos a partir de tecido nervoso (cérebro de camundongo) foi descontinuada, e o estoque ainda disponível está virtualmente esgotado. Em 2009, na União Européia e nos Estados Unidos, foi licenciada uma vacina produzida com vírus inativados obtidos em células Vero (células renais de macaco verde africano) (Wilder-Smith & Halstead, 2010). No Brasil, nenhuma das vacinas contra encefalite japonesa é comercializada ou encontra-se disponível na rede pública.

A indicação da vacinação contra a encefalite japonesa deve ser feita após a avaliação do risco individual, do roteiro e das atividades. Adicionalmente, deve levar em consideração a incidência da doença na região a ser visitada e a época prevista para a viagem, uma vez que podem existir variações significativas em função das estações do ano (a infecção é mais frequente no verão e outono) e da ocorrência de chuvas. A vacinação contra a encefalite japonesa deve ser considerada, observadas as contraindicações, para viajantes que se dirigem a áreas de risco de transmissão de encefalite japonesa, em cujo roteiro estão previstas atividades (treinamentos ou missões militares, acampamentos, ciclismo) em zonas rurais e semirrurais, e para as pessoas que planejam residir em áreas endêmicas. Nas viagens de curta duração (menos de 30 dias), especialmente quando restritas às áreas urbanas, o risco de transmissão é baixo, em geral, não se indica a vacinação. Em qualquer situação, as medidas de proteção contra doenças transmitidas por insetos devem ser adotadas de forma sistemática.

A vacina contra a encefalite japonesa produzida a partir de cérebro de camundongo é a única licenciada nos Estados Unidos para uso para pessoas com idade entre 1 e 16 anos, e o limitado estoque existente está reservado para esta faixa etária. A utilização desta vacina, pelo potencial de eventos adversos graves, é restrita a situações de benefício inquestionável. A vacinação primária, quando indicada, deve ser realizada por via subcutânea, em três doses nos dias 0, 7 e 30. Em 99% das pessoas o efeito protetor (imunidade) ocorre dez dias após a aplicação da terceira dose. A vacina confere imunidade por, pelo menos, dois anos (provavelmente por quatro).

A vacina produzida em células Vero foi liberada para uso apenas em pessoas com 17 anos ou mais. A vacinação primária é realizada com duas doses por via intramuscular, com um intervalo de 28 dias entre cada uma. Confere proteção uma semana após a aplicação da segunda dose e os níveis de anticopos neutralizantes permanecem elevados por, pelo menos, 1 ano após vacinação.

Eventos adversos

Cerca de 20% das pessoas que recebem a vacina preparada a partir de cérebro de camundongo desenvolvem reações locais (dor, vermelhidão e induração) ou sistêmicas leves (febre, cefaléia, dores musculares). Reações alérgicas mais graves (urticária generalizada, dificuldade respiratória, choque anafilático) ocorrem em 0,6% dos vacinados. Estas reações tendem a ocorrer minutos após a vacinação, porém já foram descritas até uma semana após a administração da vacina. São mais comuns em indivíduos com história de urticária. A vacinação deve ser realizada sob supervisão médica em ambiente hospitalar. Os vacinados devem ser observados por, no mínimo, 30 minutos e orientados quanto à possibilidade de reações mais tardias A vacina preparada a partir de células Vero pode resultar em reações locais e sistêmicas (leves) semelhantes às da vacina produzida a partir de cérebro de camundongo. No entanto, até o momento, não foram descritas reações alérgicas graves, o que não exclui a possibilidade de que eventos adversos raros possam vir a ser registrados.

Contra-indicações

As vacinas contra a encefalite japonesa estão contra-indicadas em pessoas com antecedentes de reação alérgica grave à dose prévia ou a qualquer um de seus componentes, como o timerosal (presente na vacina produzida em cerebro de camundongo) e o sulfato de protamina (presente na vacina preparada a partir de células Vero). A vacina produzida a partir de cérebro de camundongo está contraindicada em indivíduos com antecedentes de alergia às vacinas preparadas em tecido nervoso (como a Fuenzalida, utilizada até ha alguns anos na profilaxia da raiva). Deve ser evitada em indivíduos com história de urticária e alergias múltiplas pela maior probabilidade de eventos adversos e também nos portadores de cardiopatias e pneumopatias, pelo potencial de maior gravidade caso ocorra anafilaxia. A vacina preparada a partir de cérebro de camundongo não está liberada para uso em menores de um ano de idade e a preparada em células Vero não está licenciada para pessoas com menos de 17 anos.

Disponível em 23/10/2010, 23:14 h

Página Principal Doenças imunopreveníveis Vacinas
©CVA
 
Os textos disponíveis no CVA são, exclusivamente, para uso individual. O conteúdo das páginas não pode ser copiado, reproduzido, redistribuído ou reescrito, no todo ou em parte, por qualquer meio, sem autorização prévia.
Créditos: Cives - Centro de Informação em Saúde para Viajantes